Get Adobe Flash player

O Site no Cotidiano

Ant Prox

Povo da Gente

Abraão Cavalcanti, Luiz Lima, Leôncio e Carlos Lima defendem na STTRAN´s o retorno dos ônibus grandes com a substituição imediata dos opcionais. Leia como Eles contribuíram para o aumento da Frota e criação de mais uma rota beneficiando toda Oitizeiro.

Em 2009, os moradores do Jardim Planalto e do Bairro dos Novaes foram pegos de surpresa pela Empresa São Jorge - Concessionária de Transportes Coletivos que serve a essas duas Comunidades, assim como, aos moradores que residem no entorno destas -, com a retirada de alguns ônibus considerados convencionais para o transporte de massa (passageiros), no âmbito desta Capital, que por conseguinte, fez a substituição arbitrária desses por ônibus menores denominados de transportes "opcionais". 

Foi um Deus nos acuda para os dirigentes da AMJP, já que houve muito protesto, exatamente, em função de que as Comunidades encravadas na Região Oitizeirense tem características demográficas definida como detentoras de elevados índices de povoamento, que, aliadas a uma situação econômica bastante crítica das famílias nela residentes carecem de um serviço de transporte capaz de dar conforto e mobilidade aos cidadãos.

Dessa forma, a grande maioria dos moradores do Jardim Planalto e do Bairro dos Novaes, estavam cobertos de razão, já que, são extremamente dependentes de um transporte de massa para o deslocamentocom o destino a outras áreas da Cidade, portanto, não poderiam acatar uma medida imposta pelos proprietários de transporte de massa no que concerne a retirada dos veículos maiores, mesmo se os pequenos lhes proporcione mais celeridade e conforto. O que estava em jogo não era apenas  a celeridade na cobertuta do trajeto, mas, acima de tudo, a segurança de que todos seriam transportados com conforto e de forma equânime.

alt  alt

alt

Apesar de a medida acima referenciada ter sido tomada de forma arbitrária, mal planejada e acima de tudo de uma maneira unilateral, causando transtornos aos usuários desses transportes coletivos, muito mais ainda nos horários de pico, quando, inclusive, os trabalhadores se deslocam para laborar ou estão retornando para as suas casas depois de um dia de muito esforço em busca do sustento familiar, os dirigentes da AMJP, capitaneados pelo Diretor de Relações Públicas da Entidade - Abraão Cavalcanti -, participaram das reuniões da STTRAN's de forma altiva e em defesa dos direitos dos cidadãos do Novaes e do Jardim Planalto.

Diante da arbitrariedade patente e da dificuldade por que passava os nossos moradores, Abraão Cavalcanti – AMJP -, Leôncio Cardoso  e Luiz B. Lima - Orçamento Democrático da 8ª  -, e Carlos Lima – APSC -, representaram e fizeram dos moradores da Região de Oitizeiro, obviamente, com a legitimidade de dirigentes vinculados as Entidades retromencionadas, uniram forças com outros moradores e lideranças do Novaes e forçaram várias uma reuniões junto a STTRAN's para buscar uma solução imediata, ou seja, visando que aquele Órgão Público fizesse a mediação entre Eles e os representantes da Empresa São Jorge no sentido de que se fosse exigido que os Ônibus de maior porte retornassem a circular no lugar dos pequenos veículos – chamados de opcionais.

Só depois de muita discussão na primeira Reunião é que as comunidades mencionadas tiveram vez e voz junto ao órgão regulador dos transportes públicos de massa, exclusivamente, através das pessoas acima referenciadas. Foi estabelecido no primeiro enconjtro um canal de ligação mais amplo com os representantes da Concessionária dos Serviços de Transportes Urbanos de João Pessoa, não apenas em razão do problema surgido, entretanto, para dirimir também quaisquer outros conflitosn vigentes e futuros na área do transporte público, especialmente para a Região de Oitizeiro.

Quando o assunto é polêmico e atinge diretamente os grandes empresários - principalmente aos proprietários de transporte coletivos de uma Cidade grande como João Pessoa -, todas aquelas pessoas que se dizem ter apreço por uma localidade, por um bairro, ou por uma região, se acovardam e nunca aparecem para resolver o problema ou para ao menos firmar posição em favor dos mais desvalidos - principalmente, em prol daqueles que dependem de um transporte público mais em conta para se deslocar para qualquer ponto da Cidade. Os vereadores sumiram e deixaram os dirigentes da AMJP e APSC, assim como, algumas lideranças do Novaes e do Jardium Planalto sozinhos nessa discussão.

Isso tem ocorrido também com muitas pessoas que levaram os votos do Bairro dos Novaes e do Jardim Planalto nas últimas eleições, as quais, no momento de estarem presentes na Reunião para defender as causas de nossos moradores humildes, ficaram empurrando o problema com a barriga e não apareceram na STTRAN's para defendê-los nas reuniões de acaloradas correspondentes. Dois Vereadores (uma mulher e um homem), com assento na Câmara Municipal  mandaram 2 representantes conhecidos por Adriano e por Givanildo, certamente com receio de constrangerem os donos da Empresa São Jorge.

Foi assim que aconteceu com a grande polêmica criada pela Empresa São Jorge, que firmou posição de colocar em horários de pico os chamados ônibus Alternativos – pequenos veículos de transporte de passageiros -, para circular no lugar dos ônibus de Grandes Carrocerias, objetivando, obviamente, redirecionar os veículos maiores retirados para outros Bairros da Cidade, penalizando sobremaneira os moradores do Jardim Planalto e do Bairro dos Novaes.

Sendo assim, fomos obrigados a lutar coletivamente, unimos forças e representamos bem a Associação dos Moradores do Jardim Planalto, a Associação de Promoção Sócio-Cultural do  Bairro dos Novaes e, o Orçamento Democrático 8ª Região.

Articulados em prol dos moradores de Oitizeiro, Abraão Cavalcanti, Carlos Lima, além de Leôncio Cardoso, e, Luiz Lima, firmaram posição em defesa dos interesses dos usuários desse sistema de transporte que residem em Oitizeiro e procuraram se unir a outras lideranças do entorno, a exemplo de D. Carminha (Novaes), Fátima (Juracy Palhano), Maria (Bola na Rede), dentre outras. Juntos, durante as reuniões, sempre buscaram um diálogo com a STTRAN’s, mas exigiram, oportunamente, que aquele Órgão da PMJP mediasse várias reuniões na sua Sede localizada nas Margens da BR 101/230, visando também com  presença de um representante da Empresa São Jorge pudesse ser feita - como assim ocorreu -, uma negociação transparente para a solução e correção do abuso por parte da Concessionária.

alt

1ª REUNIÃO – Sede da STTRAN’s

A primeira reunião teve um debate muito acalorado dentre as partes conflitantes - representantes da AMJP e APSC, mais do OD e o Representante da Empresa São Jorge. Acontece que, quando se trata de dinheiro em jogo, os grandes empresários querem de todas as formas obter o lucro de forma demasiada, não se importando, evidentemente, com as dificuldades enfrentadas pela população carente, principalmente, por aqueles que residem nas áreas periféricas da Cidade, os quais, não dispõem de transporte particular e usam basicamente o ônibus para fazer o deslocamento diário para outras localidades.

alt  alt

Porém, devido à pressão dos lideres de bairro - especialmente do líder comunitário Abraão Cavalcanti que defendeu teses em prol dos bairros carentes da periferia, a Empresa não teve outra opção e ficou acuada para decidir quanto a retirada imediata dos ônibus denominados de opcionais.

Diante da pressão, o representante da STTRAN´s estipulou o prazo de uma semana para que os ônibus de carrocerias maiores, os tradicionalmente chamados de lotações, substituíssem imediatamente os menores.

Diante da dificulodade de atender toda a demanda apresentada pelos dirigentes da AMJP, APSC e moradores do Novaes, foi marcada uma nova reunião para deliberar-se sobre outras opções apresentadas pela Empresa, objetivando, diminuir os efeitos das carências da população no que concerne ao transporte público, especialmente, no que concerne ao transporte de passageiros feito pela Empresa São Jorge na Região denominada de Oitizeiro.

Abraão Cavalcanti disse na primeira Reunião o seguinte: “Eu gostaria que neste momento, a STTRAN’s como mediadora do conflito, a Empresa São Jorge, representada naquela pauta pelo Senhor Franco – Gerente de Operações e pelos representantes de Entidades representativas ou líderes de bairro ali reunidos, todos percebessem que nesta mesa estamos discutindo soluções de transportes em prol de pessoas humildes, que, inclusive, não possuíam meios de deslocamento particulares”. Essa afirmativa se deu em função de que uma das participantes da Reunião - Senhora Fátima -, ter dito que “O Jardim Planalto estava bem servido de ônibus pois se fossem para a Avenida Cruz das Armas tinham a possibilidade de pegar dezenas de ônibus sem esforço algum”.  Diante da insistência nessa Tese por parte da integrante da Reunião, Abraão Cavalcanti Complementou que: “a grande maioria dos Moradores do Jardim Planalto não reside na parte próxima da Avenida Cruz das Armas, e mesmo se assim ocorresse, aquela afirmativa era descabida naquele instante, pois o que estava em jogo eram o conforto e o bem estar de todos os cidadãos de Oitizeiro e não apenas de uma parcela da população”.

Diante do conflito de idéias, foi marcada a nova reunião para uma semana depois, através da qual, todos levariam posições formadas a respeito de uma nova polêmica: a criação de uma nova rota – sugerida para contemplar pessoas que residem nas Comunidades Bola na Rede, Cabral, Independência, Juracy Palhano - a parte mais carente do Novaes.

Antecipadamente, Abraão Cavalcanti e Luiz Bezerra, assim como Dona Carminha, firmaram posição na primeira reunião de que não abririam mão da quantidade de ônibus atual que serve ao Jardim Planalto e o Novaes – 5 ônibus. Eles – agindo como representantes de uma grande parcela da população da Região de Oitizeiro -, de imediato também aprovaram a necessidade da  criação dessa nova rota para atender as comunidades supracitadas, porém, apenas com uma condição, se o novo trajeto proposto para ser incorporado pela Empresa São Jorge contemplasse, concomitantemente,  o aumento imediato do número de coletivos, sem a qual, não aceitariam a proposta mesmo que ela fosse aprovada pela maioria de pessoas presentes. Dessa forma, ficou acordado que na reunião subsequente, o Diretor de Operações da STTRAN’s, mediaria as participaçõescdas mesmas pessoas presentes na primeira reunião, a exemplo do Representante da Empresa São Jorge – Sr. Franco, e dos líderes de Bairro supramencionados, especialmente, dos representantes de Entidades Representativas da Região de Oitizeiro - AMJP e APSC. 

2ª REUNIÃO – Sede da STTRAN’s:

Conforme havia antecipado Abraão Cavalcanti, Carlos Lima e Leôncio Cardoso, na Reunião anterior, a posição que defenderam anteriormente não seria modificada de forma alguma, qual seja:  permanência do quantitativo de ônibus deliberado para ficar servindo aos moradores do Jardim Planalto e Novaes – Mínimo de 5 ônibus -, mesmo se aprovada outra iniciativa colegiada de se ampliar a rota que serve aos dois bairros, passando, efetivamente, a trafegar cada veículo de lotação tanto pela Avenida Cruz das Armas , quanto pela Via Oeste, passando, obviamente, pelos limites das Comunidades: independência, Cabral Batista e Juracy Palhano.

alt

O novo trajeto proposto para ser incorporado pela Empresa São Jorge contemplava essa medida, entretanto diminuindo a quantidade de ônibus para 3 (três) no Jardim Planalto, ficando os outros 2 (dois) para servir aquela parte da Cidade, cujo trecho seria: Jardim Planalto/Via Oeste/Integração/Via Oeste/Jardim Planalto.

De imediato, o representante da STTRAN's - Adalberto -, perguntou aos presentes – representantes da AMJP - liderados por Abraão Cavalcanti -, da APSC, os Líderes Comunitários, e, os representantes do Orçamento Democrático, dentre Eles, Givanildo, Leôncio Cardoso e Luiz Bezerra de Lima, se Eles poderiam apresentar outra alternativa, e caso não chegassem a um acordo se abririam mão das posições anteriormente firmadas.

Diante da negativa de aceitação de quaisquer abertura em favor da retirada de ônibus grandes, imediatamente, o representante da Empresa São Jorge – Sr. Franco, Diretor de Operações -, perguntou se um Circular, pelos dois sentidos – um via Avenida Cruz das Armas e outro indo pela Via Oeste, ambos fazendo o Circular era bem aceitos já que contemplaria a todos.

Diante de uma nova proposta apresentada na mesa de negociações, foram reunidas as pessoas que representavam os bairros supracitados através das Entidades mencionadas ou pelas lideranças que cada pessoa ali significava segundo o bairro que residem e foi dado um tempo para uma nova rodada de negociações.

Posteriormente, Abraão Cavalcanti de acordo com a posição firmada por cada participante do encontro, posicionou-se no sentido de que os representantes da STTRAN’s  – Adalberto -, e da Empresa São Jorge – Franco -,  apresentaram a proposta final que foi aprovada mesmo com as considerações de prejuízo feitas pelo Sr. Franco da Empresa São Jorge, que foi voto vencido na oportunidade, qual seja: a criação de uma linha Circular, pelos dois sentidos – um trajeto Bairro/Centro passando pela Avenida Cruz das Armas e retornando para a Integração pelo Sentido Bairro/Via Oeste, e o outro trajeto fazendo a mesma função, porém  no sentido inverso do primeiro, ou seja, Bairro Via Oeste/Avenida Cruz das Armas/Bairro. Entretanto, o Circular deveria contemplar a mesma quantidade de ônibus que antes servia o Jardim Planalto, incorporando mais 2 (dois) ônibus. Dessa Forma o Jardim Planalto pulou de 3 (três) ônibus grandes servindo a Comunidade para 5 (cinco) ônibus, efetivamente.

alt

Carlos Lima – Presidente da APSC - evidenciou naquela oportunidade que “Oitizeiro saiu ganhando, graças as verdadeiras lideranças que ali se reuniram - a exemplo de Abraão Cavalcantri -, já que deixaram as vaidades de lado diferentemente da classe política que se omitem nesse momento e apenas defendem seus próprios interesses”.

Leôncio Cardoso, disse que “os representantes do Orçamento Democrático saíram muito satisfeitos do encontro, pois nele realmente se observou que as querelas freqüentes de algumas pessoas individualistas dos  bairros do entorno de Oitizeiro foram deixadas pra trás em função das questões maiores da sociedade”.

Luiz Bezerra disse que “Venceu a igualdade entre pessoas de uma mesma região que são irmãos e vizinhos acima de tudo”.

Já Abraão Cavalcanti, disse que: “quando se reúne pessoas de eticamente, que buscam o bem comum em detrimento das coisas individuais, temos vitórias como esta. Ganhou o Bairro dos Novaes, o Jardim Planalto, grande parte da Região de Oitizeiro, principalmente as humildes comunidades que a compõe - Bola na Rede, Cabral, Independência, 3 Lagoas e as demais do entorno -, até mesmo por que quando se pensa igual terminamos sendo mais honestos conosco mesmo e com aqueles que mais precisam, pois passamos a atender a todos, indistintamente, também de forma igual. Estamos felizes – povo e representantes juntos possuem uma infinita força que só é perceptível nesses instantes”.

Decisões Final Aprovada por Unanimidade por todos Presentes:

1ª Reunião – Retirada imediata dos ônibus denominados de opcionais. Na oportunidade, foi dado um prazo de uma semana para que os ônibus de carrocerias maiores, os tradicionalmente chamados de Coletivos/Lotações substituíssem os menores, ficando marcada uma nova reunião para decidirmos outras opções apresentadas pela Empresa para diminuir os efeitos das carências no que concerne ao transporte de passageiros pela São Jorge na Região denominada de Oitizeiro;

2a Reunião – A criação de uma linha Circular, pelos dois sentidos – um trajeto Bairro/Centro passando pela Avenida Cruz das Armas e retornando para a Integração pelo Sentido Bairro/Via Oeste, e o outro trajeto fazendo a mesma função, porém  no sentido inverso do primeiro, ou seja, Bairro Via Oeste/Avenida Cruz das Armas/Bairro. Entretanto, o Circular deveria contemplar a mesma quantidade de ônibus que antes servia o Jardim Planalto, incorporando mais 2 (dois) ônibus. Dessa Forma o Jardim Planalto pulou de 3 (três) ônibus grandes servindo a Comunidade para 5 (cinco) ônibus, efetivamente, assim como aconteceu com o Bairro dos Novaes e as outros do Entorno.

CONCLUSÃO:

Ganhou o Povo, especialmente, as pessoas humildes que através das verdadeiras lideranças de Oitizeiro conseguiram mais uma grande vitória, dessa vez no que diz respeito as demandas sobre o Transporte Público de Massa.

Perdeu os agentes políticos que foram bem votados na eleição de 2008 para defender as causas do Povão. Mostraram que só aparecem em épocas de eleição e quando  Meta é defender posições em prol dos mais desvalidos em detrimento dos grandes empresários Eles ficam do lado mais forte – Os donos de Empresas de Transporte Coletivos. Lastimável o nível de comprometimento dessas pessoas.

Editado e Postado neste Site Por: Arthur Cavalcanti (Com informações de Abraão Cavalcanti).

Causou Impacto

Ant Prox