Get Adobe Flash player

O Site no Cotidiano

Ant Prox

Povo da Gente

Copa dos Campeões de Bairro - Segunda Edição -, tem novamente o apoio dos dirigentes da AMJP. Abraão Cavalcanti e Trócolli Júnior doam a Everaldo - Fundador do Felizardo Futebol Clube -, um Padrão Completo e se colocam a disposição do Clube.

21.10.05 - Abraão Cavalcanti - Colunista do Site: www.abraaocavalcanti.com.br -, Diretor de Relações Públicas da AMJP: "Sempre acompanhamos com muito carinho e entusiasmo aquelas pessoas que tinham boas intenções para com os Cidadãos que representam  o Futebol Amador de Oitizeiro, especialmente, daqueles que pensam de maneira coletiva...". 

Um dos posts redigidos e publicados neste Site - também inserido neste MENU - Retrospectiva da Participação em Comunidade -, abordou o fato  de  o autor  deste artigo, ter apoiado em parceria com o Deputado Estadual Trócolli Júnior a Primeira Copa dos Campeões de Bairros. O título da matéria retrocitada é  o seguinte: Primeira Copa dos Campeões de Bairros promovida pela PMJP teve a participação da Seleção do Jardim Planalto. A AMJP e  Abraão Cavalcanti apoiaram, efetivamente, a equipe no torneio – transporte e alimentação dos atletas, torcedores, convidados e dirigentes, material para atendimento médico dos atletas, etc. - Clique neste Link e Leia a Matéria citada e relacionada.

Agora - quase um ano depois -, estou postando um novo artigo, também expressando a minha satisfação em ter servido mais uma vez a uma Entidade Esportiva do bairro aonde resido - desta vez, ao Felizardo Futebol Clube -, em parceria com o Deputado Estadual Trócolli Júnior. Foi durante uma competição bastante conhecida e disputada no âmbito desta Capital (A Copinha de Campeões de Bairro de João Pessoa).

Aproveito a oportunidade para, através deste meio de comunicação célere e que abrange simultaneamente em nível mundial um universo extraordinário de internautas, fazer menção a uma decepção que tive com relação ao propósito desta Competição que teve o seu objetivo republicano desvirtuado. Na verdade, aconteceu que um programa de governo criado para proporcionar entretenimento a sociedade e que me parecia nobre e abrangente, foi irresponsavelmente utilizado para promover algumas figuras da gestão municipal, exatamente, em função da ganância e da falta e equilíbrio das pessoas que diziam ser socialistas e que na verdade, ao atingirem os seus objetivos políticos - o poder -, estabeleceram regras próprias para os Cargos que ocuparam objetivando viabilizar alternativas de  multiplicação de votos através da avocação dos serviços públicos que deveriam ser colocados equitativamente em prol  de todos e não apenas de alguns.

O que objetivamente percebemos nesse período vergonhoso da administração municipal (específicamente no que concerne a gestão da pasta de esportes) foi a  disponibilização de políticas públicas apenas para uma parcela específica da sociedade - segundo os Projetos e Atividades definidos em Orçamento Público estabelecido por Lei -, com o desvio da abrangência compulsória dos seus objetivos definidos, visando atender conforme a conveniência alguns apadrinhados, amigos da gestão e aos cabos eleitorais de agentes políticos tidos como aliados. Expresso isso, de forma genérica. Não posso estabelecer o caos e a desconfiança naquilo que não convivo, entretanto, não  posso negar o que senti e passei, assim como, não posso esquecer o isolamento que sofri quando expressei publicamente o meu desejo de ser candidato a Vereador em 2008 (Na foto acima Abraão Cavalcanti um dos patrocinadores do Felizardo Futebol Clube durante a Segunda Copa dos Campeões de Bairro de João Pessoa, posa para a foto com Ramos durante o Jogo de Volta entre a Equipe dirigida por Everaldo e o time de Cruz das Armas no Campo de Futebol do Jardim Planalto).

Como preciso - por convicção -, fazer uma estrita correlação entre a satisfação que envolve o meu estado de espírito quando Deus me permitiu doar uma parcela daquilo que me sobra ou que podia reivindicar de alguém para repassá-la em favor daqueles que mais precisam, e, a satisfação que percebo nas pessoas quando recebem algo doado de coração, que evidentemente, atingirá o objetivo comum de um grupo de pessoas, informo aos nossos leitores que mais uma vez pudemos - Eu e o Deputado Estadual Trócolli Júnior -, atender humildemente a uma demanda de um grande desportista da Comunidade Oitizeirense - o morador do Jardim Planalto, Everaldo Felizardo -, doando para o time que Ele dirige, um padrão completo para que a sua equipe pudesse participar da segunda Copa dos Campeões de Bairro da Cidade de João Pessoa.

 

O Título deste artigo, já aborda um segundo momento de atuação de pessoas do povo com o mesmo objetivo comum, segundo as suas Missões. Como autor do texto, confesso que o Deputado Trócolli Júnior gostaria de estar permanentemente ajudando, colaborando, estabelecendo laços permanentes de atuação em uma comunidade, a exemplo do Jardim Planalto. Entretanto, infelizmente, os agentes políticos estabelecem regras duras de assédio, de cooptação, de compra de espaços, e outras formas nefastas para exclusão daquilo que serve e liberta - a solidariedade sem interesse -, e a atração daquilo que escraviza - a troca de dinheiro e produtos por compromissos espúrios no período micro-eleitoral e, até mesmo, no dia de um pleito eleitoral.

Fizemos - na medida do possível e na forma da Lei -, a nossa parte, e a Copa dos Campeões de Bairros - em sua Segunda Edição -, teve novamente o meu apoio, dos dirigentes da AMJP e, do Deputado Trócolli Júnior, ou seja, de um time de Gente honrada, cidadã e da hora, deste querido Bairro.

Procuramos fazer o que estava ao nosso alcance e nos esforçamos para acompanhar, durante a competição, toda a trajetória de um Clube do Jardim Planalto nesse torneio amador, que objetivamente foi introduzida no calendário espeotivo da PMJP, diga-se de passagem, também, por muita gente honesta e trabalhadora.

Sempre acompanhamos com muito carinho e entusiasmo aquelas pessoas que tinham boas intenções para com os Cidadãos que representam o Futebol Amador de Oitizeiro, especialmente, daqueles que pensam de maneira coletiva. Portanto, achávamos, equivocadamente, que o objetivo inicial do Projeto seria preservado em detrimento da sanha daqueles que só pensam nos seus próprios interesses e de seus comandantes.

Como expressei no artigo escrito sobre a Primeira Copinha, "que constatamos boas intenções dos idealizadores do Campeonato", atesto, indubitavelmente, que a competição serviu sim, como um referencial para  que as outras atapas anuais subsequentes passasem a ter o mesmo planejamento e o conseqüente sucesso visando elevar o nome da PMJP - Entidade Organizadora.

 

Na foto acima, Severino Ramos, Luiz Bezerra e Everaldo Felizardo participam a festa inicial de apresentação os clubes na Competição

Acontece que no primeiro ano de implantação desse torneio realmente houve um debate fraterno, transparente, contagiante e imparcial entre os que fazem a Secretaria de Esportes Juventude e Recreação - SEJER - PMJP, através de seus gestores e da área técnica do Órgão - para tanto, leia-se, o Secretário da Pasta, Marconi Paiva (Foto ao Lado e de Boné - Que sempre foi cordato e recebeu por várias vezes os dirigentes da AMJP - Abraão Cavalcanti e Comissão da Entidade no Órgão que gerencia o Esporte na PMJP) e o seu Coordenador de Esportes, o dirigente da Pasta, Mineiro -, sem que ocorresse nenhum atropelo ou desencontro eventual. Apesar de todo esse esforço para manter uma competição que levara anos para  ser gestada, alguns  dirigentes de clubes estimulados por dirigentes da PMJP envolvidos nesta atividade de governo (Esportiva) que tinham seus preferidos políticos para apoiar na eleição futura, destruíram nos gabinetes a possibilidade de igualarmos um atleta da periferia a um atleta  que reside na orla marítima.

Foi exatamente isso que nos afastou das competições sucessoras - apesar de nunca termos deixado de colaborar com os nossos irmãos que sempre prescintirão do nosso humilde apoio moral e da nossa ajuda logística na base.

Na segunda Edição da "Copinha", percebemos - Dirigentes da AMJP, e lideranças locais -, como partícipes da organização da primeira Edição, que as coisas realmente tinham mudado de figura e já  não se obedecia naquele Órgão  - a SEGER -, a agenda positiva previamente programada entre nossos desportistas com o dirigente maior - o solícito Marcone Paiva -, no intuito de atendermos aos anseios daqueles que necessitam de políticas públicas na área do esporte.

Atenção: Se o Internauta quiser saber se estamos com a razão, basta acessar ao Site Oficial da PMJP para tirar a conclusão, que a primeira Edição da Copa de Seleções de Bairro foi realizada com sucesso por que foi planejada e não imposta - Procurando no Site: joaopessoa.pb.gov.br a seguinte notícia, postada às 14h14min do dia 16 de agosto de 2005: Seleções de Bairros - Encontro vai definir as equipes e regulamento. O Encontro a que se refere o título do Texto que apresentamos abaixo corresponde exatamente a Reunião que objetivava manter a parceria de todos nós – dirigentes e representantes de Entidades esportivas e representativas, etc., durante a organização da copinha em 2005.

TÍTULO: Seleções de Bairros: Encontro vai definir as equipes e regulamento.

14h14 16/08/2005 - LEIA O TEXTO ABAIXO:

A Coordenadoria Especial de Desenvolvimento do Esporte do Esporte da Prefeitura de João Pessoa confirmou para quarta-feira, às 18h, mais uma reunião com os representantes de Seleções de Bairros, que será realizada no Centro Administrativo Municipal, em Água Fria (BR-230). Na oportunidade, os coordenadores do Campeonato de Seleções de Bairros definirão o número de participantes da competição, assim como o regulamento.

Na segunda-feira (15) ficou definido que a primeira fase do certame será dividida em nove regiões, que estão assim distribuídas: 1ª Região – Bairro São José, Manaíra, Bessa, Tambaú, Penha e João Agripino. 2ª Região – Mangabeira de I a VIII e Cidade Verde. 3ª Região – Valentina I, Gramame, Água Fria, José Américo, Ernesto Geisel e Colibris. 4ª Região – Ernani Sátyro, Costa e Silva, Grotão, João Paulo II, Esplanada, Jardim Sepol, Presidente Médici e Funcionários II, III e IV. 5ª Região – Bairro das Indústrias, Jardim Veneza, Mumbaba, Gauchinha, Jardim Verona, Vieira Diniz, Alto do Mateus e Lúcia Braga. 6ª Região – Cristo, Jaguaribe, Rangel, Cruz das Armas, Bairro dos Novais, Jardim Planalto, Cidade dos Funcionários e Jardim Itabaiana. 7ª Região – Róger, Tambiá, Treze de Maio, Ilha do Bispo, Varadouro e Porto do Capim. 8ª Região – Mandacaru, Alto do Céu, Padre Zé, Bairro dos Ipês, Parque dos Ipês e Bairro dos Estados e 9ª Região – Castelo Branco, Bancários, Altiplano, Cabo Branco, Torre, Portal do Sol e Timbó.

O Campeonato de Seleções de Bairros será coordenado pelos professores Antônio Carlos de Medeiros (Baza) e Antônio Fernando (Mineiro). A competição está programada para começar no mês de setembro, conforme previsão feita pelo diretor da Divisão de Esportes da Coordenadoria Especial de Desenvolvimento do Esporte, Marcílio Siqueira.

Fonte: SECOM - PMJP.

Depois da primeira Edição promovida com muita responsabilidade e participação daqueles que realmente entendiam muito sobre o esporte amador, alguns dirigentes da SEGER/PMJP, acharam que deveriam organizar a segunda Edição da Copinha sem o mínimo de discussão e o resultado foi muito desastroso. Tivemos conhecimenton sobre os encontros - desencontrados -, além das reuniões realizadas nos bairros nas caladas da noite, com a participação de gente descomprometida com  o Evento. Desarrumaram tudo aquilo que muita gente boa tinha feito em prol do esporte amador, em detrimento de vaidade de poucos.

Acontece que  os dirigentes da Associação dos Moradores do Jardim Planalto, da qual faço parte há décadas, temos pessoas de bem que sempre nos mantém informados das maldades que planejaram em quatro paredes contra os objetivos naturais e legítimos do nosso povo. Claro que, muita gente não queria a nossa presença nessas reuniões, afinal, éramos aliado e passamos a ser odiados.

Foi dessa maneira que não pestanejamos e decidimos colegiadamente que os membros da AMJP deveríam recuar para não atrapalhar aquilo que Eles estavam planejando em realizar, afinal, a desorganização é uma ação peculiar a essas pessoas que promovem eventos desprovidos de democracia.

Havia algo que não colava. Confesso, demorei a "cair a ficha". Mas, abri os olhos e percebí, claramente, que a PMJP naquele ano pré-eleitoral, decidira decepcionar a sociedade que acreditava na seriedade de um homem que dizia ser "coletivo". Demorei saber que seu lobby era ser individual e não plural. Aprendi a traduzir a língua do Coletivo - em Pessoense  significa: feira de troca, e, nos bairros periféricos já tem outro significado: É dando que se recebe.

Foi então que percebi, finalmente que na PMJP alguns Gestores em períodos pré-eleitorais não se portam como homens públicos compulsoriamente, mas, são obrigados e pré-determinados a agirem sem o dever republicano de estabelecerem políticas públicas abrangentes e duradoura, que atendam, efetivamente e prioritariamente as comunidades carentes e as pessoas ávidas por inclusão.

O que aconteceu comigo e com os meus companheiros que se solidarizaram a mim  durante essa empreitada que hoje chamo de tempo desperdiçado, foi que comecei a acreditar que o povo estava com fome - de justiça.

Literalmente pegando o gancho dessa necessidade básica - de igualdade e de esperança -, vislumbro que os homens públicos da época estavam hipoteticamente passando pela seguinte situação: É como se alguém  nos tivesse alimentado em razão de saber que estávamos com muita fome, nos desse comida hoje - fartamente -, e, insinuasse que amanhã repetiria a acolhida, inclusive, nos dias subseqüentes. Porém, exatamente um dia depois da promessa, chegasse a nossa frente com um papo furado de que encontrou pelo caminho alguém mais necessitado do que a gente e a comida compromissada anteriormente como sendo certa fosse transformada em um ato de extrema caridade. Resultado: Além da fome, teríamos que engolir bastante decepção. Foi isso que aconteceu - Fiquei decepcionado com a gestão que se dizia socialista.

Conclusão: a segunda copinha aconteceu, usaram de nossa boa fé e de nossas idéias, emplacaram os campeonatos  subseqüentes na mídia, passaram a idéia de uma competição extremamente democrática e ainda por cima excluíram aqueles que não servem para os seus projetos de poder político futuros.

Que posso fazer. Tudo, inclusive, "deixar o Mago Trabalhar com Luciano".  Só não posso deixar de dar continuidade aos torneios anualmente apoiados por mim e pelo Deputado Trócolli Júnior. Prefiro servir a minha gente e, ponto Final.

Matéria Editada e Postada Por: Abraão Cavalcanti

Causou Impacto

Ant Prox